IDEIAS

THELIRANTES

O PROTAGONISMO FEMININO NEGRO NAS RODAS DE SAMBA DO RIO

Atualizado: 18 de Set de 2018

Sambas e Dissembas promove ciclo de diálogo e reflexão sobre a mulher no samba carioca.

SAMBA-CONVERSAÇÃO

Durante o segundo semestre de 2017, o projeto Sambas e Dissembas: Fluxos e Geografia da Memória Negra no Estado do Rio de Janeiro realizou atividades públicas de intervenção nas rodas de samba do Rio de Janeiro. As rodas de Samba-Conversação reuniram diferentes gerações de pesquisadoras e sambistas em mesas temáticas que tiveram como proposição compreender as Geografias do Humano nas Rodas de Samba Cariocas.


Realizado com patrocínio do edital Memória e Cidadania - Territórios Culturais RJ/Favela Criativa, da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro em parceria com a Light e a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) o projeto promove a #reflexão e #valorização do samba como local de #encontro, de #criação e #produção da #memória e #bens-imateriais. Além de ampliar a voz de #mulheres negras que têm no #samba seu espaço de #protagonismo.

RODA 01 - O DIREITO DE SAMBAR

A criação de políticas públicas voltadas para o samba

Carolina Maira (historiadora), Janaína Reis (sambista) e Aline Lourena (cineasta) - foto: Priscila Alves (Silão)

O ciclo foi iniciado, no dia 11 de novembro (sexta), as samba-conversadoras Nilcea Freire (Museu do Samba), Nilcemar Nogueira (Secretária Municipal de Cultura do RJ) e Carolina Maíra (mediadora) falaram na roda “O Direito de Sambar: a criação de políticas públicas voltadas para o samba” comandada pelo grupo Filhas da Samba, que acontece toda segunda sexta-feira do mês no Museu do Samba, na tradicional comunidade da Mangueira. No encontro as convidadas refletiram sobre o papel das instituições públicas na preservação da memória do samba, reconhecido como patrimônio nacional, ressaltando sua importância na construção da identidade brasileira.


RODA 2 - AS ROSAS NÃO FALAM?

O ESPAÇO DA MULHER NAS RODAS DE SAMBA

No dia 25 de novembro (sábado), foi a vez da samba-conversação aconteceu no Samba Moça Prosa, roda idealizada e composta integralmente por mulheres, no Largo São Francisco da Prainha, no Zona Portuária, com o tema As rosas não falam?: o espaço da mulher nas rodas de samba. Durante o encontro a pesquisadora Angélica Ferrarez e a jornalista e ex-rainha de bateria Evellyn Alves, e da jornalista Maitê Freitas (mediação) falam sobre a preservação da memória do samba nas rodas de samba do Rio de Janeiro através da presença feminina.


RODA 3 - AO POVO EM FORMA DE ARTE

A cultura do samba e a sua influência na cidade

Maitê Freitas (jornalista) e Helena Theodoro (pesquisadora)

Encerrando este ciclo, no dia 4 de dezembro (sexta) o Sambas e Dissembas adentrou o Samba da Cabaça, no Centro Cultural Calouste Gulbenkian, com o tema “Ao povo em forma de arte: a cultura do samba e a sua influência na cidade, com a participação da pesquisadora Helena Theodoro, Gracy Mary Moreira (Casa da Tia Ciata), e da cineasta Aline Lourena (mediação) que falam sobre

Os encontros foram gratuitos e abertos para o público em geral.


As rodas de Samba-Conversação integraram as ações do Sambas e Dissembas no Rio de Janeiro. É importante, destacar que essa iniciativa surgiu a partir de uma parceria entre a cineasta Aline Lourena, da Agência TheLírios e a jornalista Maitê Freitas, do Samba Sampa. O Samba Sampa realiza desde 2012 ações de promoção e difusão da tradição do samba paulista, em diálogo e parceria com as rodas de samba da cidade.

Angélia Ferrarez (pesquisadora), Evellyn Alves (jornalista), Carolina Maíra (historiadora), Taína Brito (percussionista), Aline Lourena (cineasta), Taissa Mattos (percussionista)

Com a premissa de promover uma reflexão, o #Samba-Conversação é um espaço de diálogo sobre o samba na cidade de São Paulo e do Rio de Janeiro, seus agentes e sua história #afropaulistana e #afrocarioca. Além das rodas de Samba-Conversação, o projeto percorreu quatro cidades fluminenses - Piraí, São João de Meriti, Duque de Caxias e Rio de Janeiro - realizando capacitações nas áreas da linguagem audiovisual, escrita e fotográfica. Os documentários produzidos do projeto estão disponíveis no canal da Agência TheLírios, no Youtube.



AUTOR:

Aline Lourena: é atriz, cineasta, pesquisadora, diretora executiva e fundadora da TheLírios, É mestre em Comunicação e Cultura (PPGCOM-UFRJ), graduada em Audiovisual pela UFRJ, e formada em roteiro cinematográfico pela Escola de Cinema Darcy Ribeiro. Responsável pela coletivo #Az_Pretaz - Mulheres Negras e Indígenas da Comunicação e da Tecnologia e apresentadora do programa de rádio, Na Onda das Pretas (Rádio MEC/EBC)

Instagram: @alinelourena

Facebook: @alinelourenaoficial

QUEM SOMOS

 

Fundada em 2009, a A TheLírios é uma empresa que integra a cadeia produtiva do audiovisual carioca com importantes trabalhos realizados para clientes privados e órgãos públicos, além de criar, produzir e realizar filmes e programas para diversas janelas de exibição.

  • Preto Ícone YouTube